quinta-feira, 18 de junho de 2009

Recomendações Nutricionais para Idosos


O envelhecimento envolve uma série de alterações no idoso, essas alterações psicológicas, sociais e ainda os problemas financeiros alteram de alguma forma a dieta, o padrão alimentar e o estado nutricional do idoso. Devido às diferenças entre a capacidade de ingerir, digerir, absorver e utilizar os alimentos torna-se complicado estabelecer precisamente a necessidade nutricional da população idosa como um todo. Além disso, existe a falta de pesquisa neste campo, e a grande variabilidade dos dados encontrados faz com que as evidencias científicas sobre as necessidades nutricionais e energéticas dos idosos sejam variáveis e incompletas. Desta forma as recomendações nutricionais, cuja função é indicar as quantidades necessárias de nutrientes para determinado grupo de pessoas em seu ambiente natural, sem traumas ou qualquer doença, para os idosos acaba sendo adaptadas a partir de recomendações para adultos e crianças.
O grupo etário acima de sessenta anos se caracteriza por uma massa protéica magra menor e um relativo aumento na gordura corporal, sendo necessário para manutenção das calorias gastas em atividade regular pelos idosos 30 kcal/kg/dia, autores ainda reforçam que aportes menores que 1500 kcal/dia sugerem um risco de baixa ingestão de nutrientes, não sendo possível atender as requisições nutricionais diárias.

Proteínas
A autora Matos afirma que o organismo de um idoso saudável apresenta entre 60 e 70% do conteúdo protéico dos adultos jovens, o que indica que idosos precisam de menos conteúdo protéico em sua dieta. Porém a autora ressalta que a necessidade de proteínas aumenta de acordo com a gravidade e a duração da maioria das doenças crônicas que surgem na terceira idade. É importante ressaltar que a qualidade da proteína depende do perfil de aminoácidos, a digestibilidade, a relação protéico-energética e os teores de vitaminas e minareis, sabendo disso as proteínas incluídas na dieta de idosos deve ser de alto valor biológico, principalmente quando se trata de idosos anoréxicos.

Lipídeos
80 a 90% da energia diária deve ser distribuída entre carboidratos e gorduras, porém apesar dos lipídeos fornecerem mais energia, os alimentos gordurosos não são boas fontes de micronutrientes e minerais. Sendo assim autores sugerem que apenas 30-40% da energia não protéica deve ser obtida através de gordura de forma que entre 7 e 10% sejam gorduras saturadas, até outros 10% de gorduras poliinsaturadas e o restante deve ser obtido através de gorduras monoinsaturadas.

Carboidratos e Fibras
É sugerido que os idosos tenha uma maior ingestão de fibras , já que a ingestão destas associada a uma ingestão adequada de água previne a constipação, favorece um maior controle da glicemia e do colesterol , além de reduzir o risco de algumas neoplasias. Porém o maior consumo deste tipo de carboidrato pode gerar uma ingestão maior de zinco, cálcio, ferro e magnésio. A dieta de idosos deve ser rica em carboidratos, uma vez que a falta destes favorecem o surgimento de importantes transtornos metabólicos, sendo assim o aporte dos carboidratos deve constituir no mínimo 50% do valor calórico total da dieta com uma quantidade mínima de 150g, já a quantidade de fibras varia entre 20 e 35g por dia.

Vitaminas e Minerais
A necessidade de oligoelementos, vitaminas e minerais dos idosos é superior à dos adultos e alguns micronutrientes podem ter sua absorção diminuída, como a vitamina B12 e o ácido fólico. A deficiência de alguns elementos traços e de vitaminas pode ser decorrente da diminuição na função imune de forma que este problema pode ser evitado ou retardado através de uma dieta. Sendo assim sabe-se hoje que uma suplementação fisiológica de micronutrientes é capaz de melhorar a imunidade e diminuir o risco de infecções. Recomenda-se que haja a ingestão de ao menos 5 porções de frutas por dia, uma vez que estas mantêm um fluxo constante de grande quantidade e variedade de antioxidantes, além de serem a principal fonte de vitaminas que agem trazendo o bom funcionamento de várias partes do corpo humano.

Fonte: http://www.medicinageriatrica.com.br/2009/05/19/saude-geriatria/desnutricao-no-idoso-parte-3-recomendacoes-nutricionais/

Postado por: Paulo Henrique Dutra e Fernanda Barros

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário